COMO TER A MELHOR APOSENTADORIA?

3 segredos para o INSS não te passar a perna na Aposentadoria

Quero Receber

O INSS comete alguns erros em todo processo de aposentadoria. Dá pra ver de longe alguns problemas e tomar algumas medidas para evitar perder tempo e dinheiro por coisas que o INSS nem te fala.

Com o que vou te contar, você vai evitar muita dor de cabeça, evitar gastos e pode até adiantar a sua aposentadoria.

Vamos descobrir o que o INSS não te conta….

1. Trabalhos perigosos ou que fazem mal a saúde contam mais para se aposentar

Atividade especial

1- Trabalho insalubre e periculoso contam mais tempo para a aposentadoria no INSS e aposentadoria especial

Quem tem contato com alguns elementos que são perigosos (periculosidade) ou que fazem mal a saúde (insalubridade) tem direito a um tempo adicional na aposentadoria ou a se aposentar sem o fator previdenciário.

Este período trabalhado em condições insalubres ou periculosas te dão um acréscimo de no mínimo 40% para o homem e 20% para a mulher no tempo de contribuição.

Isso quer dizer que um Metalúrgico que trabalhou 10 anos em contato com esses agentes insalubres, ganharia mais 4 anos na contagem para se aposentar. Ou seja, esses 10 anos vão valer por 14 anos.

Você vai precisar de documentos que comprovem que você realmente trabalhou com insalubridade ou periculosidade, ou em alguns casos comprovar que você trabalhava em algumas situações específicas.  Alguns desses documentos são:

  • Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP)
  • Laudo de Condições Ambientais de Trabalho (LTCAT)
  • Carteira de Trabalho

Quer saber mais sobre os documentos necessários e como conseguir este tempo a mais? Leia este post dos 5 passos para conseguir sua Aposentadoria Especial.

2. Período trabalhado sem registro pode contar para a aposentadoria

E você não precisa pagar nada

2- Carteira de trabalho sem registro no INSS conta para aposentadoria

Muitas empresas na tentativa de pagar menos impostos acabam não registrando seus funcionários. O funcionário na hora da contratação acredita que isso é vantajoso, pois muitas vezes ele recebe um pouco mais por isso, e não se incomoda de não ter o registro na carteira de trabalho.

O problema aparece quando chega perto da aposentadoria, quando esses meses ou anos sem registro vão fazer muita diferença.

A boa notícia é que o segurado (quem tem direito a se aposentar) pode pedir que o INSS reconheça o período sem registro na carteira de trabalho para a sua aposentadoria, independentemente de a empresa ter recolhido o INSS.

Parece estranho, não é? Mas é assim mesmo, o trabalhador não pode ser prejudicado nessa hora porque a obrigação de pagar o INSS era da empresa, e não do trabalhador.

Você vai precisar de documentos que comprovem que você realmente trabalhou na empresa, alguns exemplos desses documentos são:

  • Anotações na Carteira de Trabalho:
  • Registro de empregados da empresa
  • Holerites
  • Ficha ponto
  • PPP

3. Pedido negado no INSS pode ser revertido sem precisar de advogado

Com um modelo de recurso

3- Dra. Aparecida Ingrácio escrevendo recurso para o INSS modelo grátis

O INSS quando nega seu pedido (aposentadoria, revisão, auxílio-doença e outros) te entrega em mãos ou manda para sua casa uma carta de indeferimento.

Pouca gente conhece que existe um serviço dentro do próprio Ministério da Previdência Social que pode modificar as decisões tomadas pela agência do INSS.

Este serviço é chamado de Recurso Administrativo. Quando este recurso é feito e apresentado no prazo correto todo o processo administrativo é encaminhado para uma Junta de Recursos, um órgão especializado dentro da previdência social, que analisará novamente seus direitos.

O resultado é que muitas vezes eles mudam a decisão do INSS e concedem o benefício!

Você vai precisar entrar no site de agendamento do INSS e escolher o serviço RECURSO. Se você quer discutir um auxílio doença ou uma aposentadoria por invalidez o serviço será RECURSO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE.

Este agendamento tem que ser feito até 30 dias depois que você fica sabendo que seu processo no INSS não deu certo.

É possível, e recomendável, solicitar que “seja oportunizada a sustentação oral do segurado”. Desta forma, você será notificado em que dia será julgado seu processo e poderá comparecer e explicar para os conselheiros da Junta de Recursos porque você tem direito ao benefício pretendido.

4. Trabalho na lavoura antes de 1991 conta para a aposentadoria

Quem trabalhou em meio rural antes de 1991 pode ter este tempo considerado na sua aposentadoria sem necessidade de ter contribuído para o INSS.

Tem direito quem trabalhou sob regime de economia familiar. Isso significa que a família produzia no meio rural somente o suficiente para o sustento da família, podendo existir um pequeno excedente para venda ou troca de mercadorias. Além disso, os membros da família não podiam trabalhar no meio urbano.

Quem trabalhou nessas condições pode contar este tempo para se aposentar. O INSS começa a contar o tempo rural a partir dos 14 anos, já na justiça este tempo pode ser contado a partir dos seus 12 anos de idade. Então na justiça é possível ganhar dois anos a mais que no INSS.

Você vai precisar provar que você realmente trabalhava no meio rural. Para isso é necessário documentos como:

  • Notas fiscais da época
  • Certidão de nascimento de irmãos que nasceram ainda no meio rural
  • Histórico escolar de escola rural seu e de seus irmãos
  • Registro de imóvel do imóvel rural
  • Certidão do Incra
  • Cópia do prontuário de identidade

Além disto, é preciso testemunhas que te conheciam na época que você trabalhava no meio rural

Quer saber mais sobre atividade rural? Leia o post Tudo sobre o tempo de trabalhador rural na Aposentadoria

5. Trabalho como autônomo para Pessoas Jurídicas mesmo sem contribuição conta para a aposentadoria

E você não precisa pagar nada

5- Contribuicao para pessoa juridica conta para aposentadoria sem precisar pagar nada

Ao contrário do trabalhador empregado, o trabalhador autônomo tem a obrigação de contribuir ao INSS, então se não houve contribuição o período não pode ser contado, uma vez que a obrigação de pagar era do próprio trabalhador.

Ocorre que o trabalhador autônomo que presta serviço para Pessoas Jurídicas a partir de 2003 pode contar o período mesmo que não tenha sido pago a contribuição ao INSS.

Neste caso a obrigação de pagar a previdência social é da empresa para qual o serviço foi prestado.

Você vai precisar provar que realmente prestou serviços para empresa. Alguns documentos podem ser utilizados como prova perante o INSS:

• Recibos
• Troca de e-mails
• Imposto de renda

6. O tempo que você serviu o exército conta para a aposentadoria

 

Muita gente não sabe que o INSS é obrigado a contar para a aposentadoria o tempo de serviço sujeito ao serviço militar obrigatório.

Este período só não será considerado se você já o utilizou para contagem de concessão de benefício previsto em Regime Próprio Público ou Militar, isso porque ele não pode ser contado duas vezes.

Você vai precisar apresentar no INSS o certificado de reservista original. Caso você tenha perdido este documento é possível obter uma certidão na unidade militar onde prestou serviço. Não esqueça de pedir para constar nesta certidão o período em que esteve com vínculo militar, a data de início e data fim.

7. Muita gente joga dinheiro fora pagando contribuições em atraso

É normal achar que o simples recolhimento em atraso é o suficiente para contar tempo para a aposentadoria.

Imagine que você tem alguns períodos que queira contribuir em atraso e então vai até o INSS. Lá um agente emite suas guias para recolhimento em atraso, e você paga todas elas. Mas quando chega a hora de se aposentar você percebe que essas contribuições pagas em atraso não contaram para a aposentadoria.

O INSS está louco?

Não, acontece que o simples recolhimento em atraso não é o suficiente para sua aposentadoria.

Para o INSS contar o tempo recolhido em atraso para a aposentadoria, além de pagar as guias, é necessário ter provas documentais provando que você exerceu alguma atividade no período que pretende recolher em atraso.

Então o pagamento em atraso sem a comprovação que você realmente trabalhava não irá contar para sua aposentadoria.

Você vai precisar comprovar com documentos para o INSS que trabalhava como autônomo no tempo em que pretende recolher em atraso. Para isto alguns documentos são muito úteis, como:

  • Comprovante de Inscrição na prefeitura da sua Cidade
  • Comprovante de pagamento de impostos ligados a atividade
  • Comprovante que executou o trabalho
  • Recibos
  • Imposto de renda

Veja como fazer contribuições em atraso no post Como pagar INSS atrasado?

Gostou do post? Gostaria de fazer alguma pergunta? 

Deixe eu saber deixando um comentário abaixo.

Estamos publicando posts com informações valiosas, como este, toda a semana. Inscreva-se na nossa lista de e-mail para receber este conteúdo assim que for publicado.

Advogada Aparecida IngracioAparecida Ingrácio

OAB/PR 26.214
Advogada Previdenciária há mais de 20 anos. Sou apaixonada pela advocacia. Vim de uma origem humilde e hoje cuido de aposentadorias de todo Brasil.

 

Receber Dicas da Aparecida Ingrácio sobre Aposentadoria

Artigos Relacionados

Aposentadoria do médico – Guia Completo

COMO TER A MELHOR APOSENTADORIA? 3 segredos para o INSS não te passar a perna na Aposentadoria Quero Receber Você já deve saber que a aposentadoria do médico é cheia de detalhes e cuidados, não é mesmo? Para resolver todas suas dúvidas, criei este guia completo para...

Oi?
O que você achou deste conteúdo, ficou alguma dúvida? Conte pra mim aqui nos comentários ↓

139 Comentários

  1. Ana Beatriz Santos Machado Chaves

    Bom dia
    Por estarmos no mês dedicado à prevenção do câncer de mama, muitas são as postagem sobre direitos de mulheres acometidas pela doença, e, gostaria de uma orientação.

    No ano de 2000 tive câncer de mama sendo submetida aos tratamentos que foram desde a mastectomia radical da mama direita à quimioterapia (e seus efeitos) por 07 meses e, posteriormente 05 (cinco) anos fazendo uso do medicamento Tamoxfeno.

    Não entrei no sistema da previdência, permanecendo trabalhando durante os longos 5 anos e sete meses de tratamento, contribuindo normalmente com o INSS.

    Vejo, atualmente, que existem possibilidades de contagem de tempo para aposentadoria, pessoas que serviram o exército, estudantes de cursos profissionalizantes, dentre outros.

    Gostaria de saber se há possibilidade de abatimento no tempo de aposentadoria no meu caso.

    Sou servidora pública da Prefeitura de Juiz de Fora a 23 anos, e, tenho tempo de contribuição anterior. Atualmente tenho 55 anos de idade, e por estimativa ainda preciso trabalhar 03 (três) anos.

    Havendo possibilidade de “abatimento” no tempo, por força de ter contribuído com o INSS em tratamento de câncer de mama, penso que seria justo minha solicitação.

    Espero ter sido clara em meu questionamento, e aguardarei um retorno.

    Obrigada

    Ana Beatriz

    Responder
    • Ingrácio Advocacia

      Obrigado pelo comentário, Ana Beatriz.
      Em primeiro lugar, temos muito respeito pela sua história.

      Mas, para responder, a gente precisa de mais informações e detalhes.

      Minha dica é que você entre em contato diretamente com a gente através deste link: http://www.ingracio.adv.br/atendimento-on-line/.
      Este é o canal para respondermos dúvidas específicas que nem a sua.

      Forte abraço!

  2. Dimitri B

    Boa tarde. Trabalhei com carteira assinada por quase 16 anos e agora vou começar uma carreira de autônomo. Qual a melhor estratégia para garantir a minha aposentadoria? É possível somar os tempos de carteira assinada com o de autônomo? Como seria o cálculo para saber o valor que receberei mensalmente na minha aposentadoria? Essa minha nova jornada começa em outro país e existe uma chance de, antes de me aposentar, eu virar cidadão deste país. Existe algum obstáculo para pagar essa contribuição fora do país? Caso eu venha a ter dupla cidadania ou mudar de cidadania (não sei como isso funciona) isso impactaria de alguma maneira no meu benefício? Obrigado!

    Responder
    • Ingrácio Advocacia

      Obrigado pelo comentário, Dimitri.
      Muita gente tem dúvidas parecidas com a sua.

      Mas, para responder, a gente precisa de mais informações e detalhes.

      Minha dica é que você entre em contato diretamente com a gente através deste link: http://www.ingracio.adv.br/atendimento-on-line/.
      Este é o canal para respondermos dúvidas específicas que nem a sua.

      Forte abraço!

  3. Priscila Rodrigues

    Boa tarde. Meu pai completou a idade para aposentadoria por idade rural. Ainda restam 1 ano e meio para completar os 15 anos de contribuição. Entretanto, ele trabalho durante 4 anos em uma fazenda sem carteira registrada. O que ele deve fazer para conseguir averbar esses 4 anos de trabalho sem CTPS assinada para fins de aposentadoria?

    Responder
  4. Jéssica

    Bom dia,

    Eu já trabalho registrada, mas queria pagar também um INSS como autônoma (já que trabalho no ramo da estética).
    Minha dúvida é, caso minha empresa me mande embora, como já estou pagando o INSS como autônoma, mesmo assim eu recebo as parcelas do seguro desemprego?

    Responder
    • Ingrácio Advocacia

      Olá Jéssica!
      Tudo indica que não por conta do trabalho remunerado como autônoma.
      Abraços

  5. Priscila

    Boa tarde. Meu pai já tem a idade para se aposentar por idade rural. Entretanto, falta 1 ano e meio para completar os 15 anos de contribuição. Ele trabalhou durante 4 anos em uma fazenda, porém o patrão dele não assinou a sua CTPS e nem recolheu INSS. Como meu pai pode fazer para ter computados esse 4 anos para fins de aposentadoria?

    Responder
  6. Regina

    Olá! Gostaria da sua ajuda, minha mãe tem 67 anos e 13 de contribuição, não se aposentou por idade por que não tem o mínimo de contribuicao, porem, vejo que a lei não é justa, uma vez que para aquelas pessoas que nunca contribuíram podem se aposentar por idade. Gostaria de saber de existe alguma jurisprudência, decisão judicial que poderia ajudar na aposentadoria dado a situação que a minha mãe já faz jus por ter a idade mínima.

    Responder
  7. Adriano Neves dos Santos

    Olá, bom dia! Me chamo Adriano e faz tempo que tenho uma dúvida.
    Sou professor e por anos, trabalhei em um curso que não assinava carteira (inclusive já acionei a justiça) e por isso, comecei a pagar carnê de autônomo.
    Finalmente, quando saí de lá, entrei em duas outras escolas e ambas assinaram minha carteira, mas continuei pagando o carnê porque soube que aumentaria o valor na aposentadoria.
    No entanto, o valor mensal que pago no carnê está um pouco salgado e me pergunto se tem mesmo necessidade de eu seguir pagando quando já estou sendo recolhido por duas empresas.
    Deixar de gastar esse valor (quase 200) ia ser muito bom, mas fico com medo de minha aposentadoria ficar muito baixa. O que fazer?
    Muito obrigado.

    Responder
    • admin

      Obrigado pelo comentário, Adriano.
      Muita gente tem dúvidas bem parecidas com a sua.

      Mas, para responder, a gente precisa de mais informações e detalhes.

      Minha dica é que você entre em contato diretamente com a gente através deste link: http://www.ingracio.adv.br/atendimento-on-line/.
      Este é o canal para respondermos dúvidas específicas que nem a sua.

      Forte abraço!

  8. thiago fernandes

    Olá minha mâe vai fazer 60 anos, e tem 10 anos e 7 meses de contribuição, fiz uma simulação no site meu inss e diz que falta 15 pontos para se aposentar, o que seria esses 15 pontos? ela nunca trabalhou com carteira assinada, sempre pagou autonomo.

    Responder
    • admin

      Obrigado pelo comentário, Thiago.
      Muita gente tem dúvidas bem parecidas com a sua.

      Mas, para responder, a gente precisa de mais informações e detalhes.

      Minha dica é que você entre em contato diretamente com a gente através deste link: http://www.ingracio.adv.br/atendimento-on-line/.
      Este é o canal para respondermos dúvidas específicas que nem a sua.

      Forte abraço!

  9. raphael

    Boa noite,
    Minha mãe tinha uma empresa e ela fazia a contribuição via boleto que o contador emitia.
    Ela está com 59 anos, fui tirar um extrato no site do inss e para minha surpresa muitas de suas contribuições não estão nesse extrato.
    Fui ao inss e me falaram que preciso apresentar os comprovantes, porém muitos estão apagados, e o funcionário ainda me disse que não posso apresentar os comprovantes agora, só no dia que ela fizer o pedido de aposentadoria. Daqui até lá muitos outros estarão apagados.
    Minha dúvida é:
    Os bancos onde ela pagou os boletos são obrigados a me enviarem uma segunda via dos comprovantes? Tem boletos apagados de mais de 5 anos.
    Ela só pode anexar esses comprovantes no dia que iniciar o processo de aposentadoria? Ela não pode atualizar o sistema do inss apresentando os comprovantes agora?

    Obrigado.

    Responder
    • admin

      Obrigado pelo comentário, Raphael.
      Muita gente tem dúvidas bem parecidas com a sua.

      Mas, para responder, a gente precisa de mais informações e detalhes.

      Minha dica é que você entre em contato diretamente com a gente através deste link: http://www.ingracio.adv.br/atendimento-on-line/.
      Este é o canal para respondermos dúvidas específicas que nem a sua.

      Forte abraço!

  10. jonas marcos de assis

    olaha boa tarde eu me afastei por um motivo de tumor cerebral e me afastaram com um salario minimo sendo que me afastei a uns tempo atras com uma media de 1513 hj fui no inss para questionar essa diferenca me falaram que por a media qgora e pelas ultima co12 contribuicoes , o que passa e que contribui por 3 nos na espanha com 314uros mensais e gostaria do acoro internacional entrsse na mediatem como mrlhorar minha media sw salario

    Responder
  11. Ricardo Miranda

    Bom dia. Fiquei desempregado 1 ano sem trabalhar e sem recolher contribuição. Depois desse período comecei a contribuir como autônomo. Esse período de 1 ano está perdido certo? Ou posso pagar agora? Mas veja q fiquei esse 1 ano sem trabalhar mesmo.

    Responder
    • admin

      Boa tarde Ricardo! Fique tranquilo, este período não está perdido. Como você quer recolher contribuições que com menos de 5 anos de atraso, você deve entrar no site da Receita Federal para calcular qual o valor a ser pago. Apenas alertamos que antes de efetuar o pagamento dos atrasados, verifique se esta é a melhor alternativa para você. Não raras vezes o valor a ser pago é alto, valendo a pena, às vezes, efetuar as contribuições a partir de agora. Procure um advogado especialista em direito previdenciário para se informar melhor sobre isso.

  12. Juliana meneses

    Boa noite. Trabalhei até janeiro de 2015 com a carteira assinada, e desde então estou em um estágio, sem contribuir para o INSS, tenho que pagar esses atrasados, como proceder sobre esse período sem contribuição. att

    Responder
    • admin

      Olá Juliana! Para efetuar o pagamento de contribuições que possuem menos de 5 anos de atraso, você deve entrar no site da Receita Federal para calcular qual o valor a ser pago. Apenas alertamos que antes de efetuar o pagamento dos atrasados, verifique se esta é a melhor alternativa para você. Não raras vezes o valor a ser pago é alto, valendo a pena, às vezes, efetuar as contribuições a partir de agora. Para mais informações, procure um advogado especialista em Direito Previdenciário. Espero ter esclarecido suas dúvidas!

  13. Carlos Roberto Amorim

    Tenho 52 anos e 33 anos de contribuição. Fui demitido. Estou pagando inss como facultativo. Pelas regras atuais, poderia me aposentar daqui a dois anos. Entretanto, sendo aprovada a reforma tributária, creio que só poderei me aposentar daqui a sete anos. Ouvi dizer que se eu pagasse os dois anos que faltam agora, eu garantiria o direito de me aposentar daqui a dois anos. independentemente do que constar na reforma previdenciária. Isto é verdade?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Carlos.
      Isso não é verdade, se fizer isso certamente o INSS não irá computar estes dois anos e você perderá dinheiro. O ideal é que continue efetuando os pagamentos como segurado facultativo mês a mês. É bem provável que a regra seja alterada ano que vem, mas a Reforma ainda não está garantida. Além disso, como no seu caso restam apenas dois anos para ter direito ao benefício previdenciário, provavelmente o senhor será enquadrado em uma regra de transição que não será tão rigorosa quanto a proposta original. Para mais informações, procure um advogado especialista em direito previdenciário. Espero ter sanado suas dúvidas!

  14. José Luiz

    Gostaria de saber o seguinte: No caso de usar o tempo de exército para usar como complemento de contribuição para efeito de aposentadoria, o INSS aceita este tempo para os 2 tipos de aposentadoria? Ou seja: Aposentadoria por tempo de contribuição e aposentadoria por idade (carência de 180 meses) ? Pelo que me parece, de acordo com a lei, o tempo militar conta para efeito de complemento sim! Só que a regra, o estatuto, o regime interno do INSS, que rege as concessões de aposentadorias, divergem, quanto à aceitação deste tempo militar para complemento de APOSENTADORIA POR IDADE (180 meses de carência) – sendo aceito somente se aplicado para complementação de APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO (35 anos) – o INSS, de acordo com o regime interno de concessões de aposentadoria insistem em afirmar que o tempo militar só pode ser usado para complementação somente para aposentadoria POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO e não se aplica por APOSENTADORIA POR IDADE, por entender e se tratar que o tempo de contribuição para aposentadoria por idade se chama “PERÍODO MÍNIMO DE CARÊNCIA” e pelo regime interno de concessões deste tipo de aposentadoria não se aplica e não aceita complementação do tempo de serviço militar. Isso procede??? Sabe a fundo a respeito disso?? Usar a Lei somente pra um tipo de aposentadoria? E não para os 2 tipos?? Há casos de entrar na justiça para provar uma possível contradição e interpretação da lei?? Obrigado!!

    Responder
    • admin

      Boa tarde, José Luiz. Com relação à dúvida apresentada, o período do exército, obrigatório ou voluntário, pode sim ser utilizado como tempo de contribuição tanto para a aposentadoria por tempo de contribuição quanto para a aposentadoria por idade, conforme dispõe o artigo 164, I, da IN 77/2015. Porém, o que não se pode confundir é o tempo de carência com tempo de contribuição. Vejamos:

      Carência: É o tempo mínimo de contribuições mensais que são indispensáveis para conseguir o benefício pleiteado (vide artigo 26, Decreto 3048/1999). Neste caso, para as aposentadorias por idade e por tempo de contribuição são necessários, no mínimo, 180 meses.

      Tempo de contribuição: É o tempo contado desde o início da das atividades laborativas, (primeiro trabalho) até a data de desligamento, como por exemplo, a concessão da aposentadoria.

      O artigo 154, I, da IN 77/2015, deixa claro que o tempo de serviço militar não será computado como período de CARÊNCIA. Essa determinação serve para qualquer uma das aposentadorias programadas.Dessa forma, não há contradição na lei, tendo em vista que o período do exército poderá ser utilizado como tempo de contribuição, podendo resultar em um benefício financeiramente mais vantajoso, porém, não pode ser utilizado como tempo de carência, ou seja, para complementar os 180 meses necessários para auferir a aposentadoria desejada. Espero ter esclarecido sua dúvida!

  15. Roseclair

    Boa tarde…
    1. Fui voluntária 08/2014 a 12/2017 como faço para incluir esse tempo para minha aposentadoria?
    2. Tive carteira assinada quando era de menor dos 13 aos 17 anos e 11 meses precisamente de 1979 a 1984 existe alguma regra especial para essa situacao?

    Desde já, agradeço.

    Responder
    • admin

      Boa tarde dona Roseclair. Com base no artigo 164, I, c, da IN 77, se a senhora exerceu atividade voluntária em organizações da ativa das Forças Armadas ou matriculados em órgãos de formação de reserva ou, ainda, em academias ou escolas de formação militar, é possível sim a inclusão deste período para a sua contagem de tempo de contribuição. É necessário que no requerimento de aposentadoria apresente algum dos seguintes documentos: Certificado de Reservista, desde que indique o tempo total da prestação de serviço militar obrigatório; Certidão emitida pelo Ministério do Exército, Marinha ou Aeronáutica, desde que indique o tempo total de serviço militar; Certidão de Tempo de Contribuição emitida pela União, Estados, DF e Municípios, nos moldes da Portaria 154/2008 do MPS para períodos trabalhados com recolhimento a Regime Próprio de Previdência do próprio órgão.

      No que tange a segunda pergunta, atualmente o INSS só reconhece o vínculo registrado em CTPS após os 16 anos de idade para considerar ao tempo de contribuição, porém, como a senhora exerceu atividade remunerada entre os anos de 1979 a 1984, esse período pode sim ser considerado na contagem. É interessante apresentar ao INSS, além da carteira de trabalho, outros documentos que comprovem a atividade. Espero ter esclarecido suas dúvidas!

  16. Ailton

    Solicitei uma CTC no INSS e averbei o tempo em um órgão federal, hoje estou em um órgão estadual. O órgão federal disse que não ficou com a CTC original e eu também não encontrei em meus documentos. Como posso solicitar outra CTC para o órgão do estado onde estou trabalhando agora?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Ailton. A solução é o senhor solicitar nova CTC, ou Certidão de Contagem Recíproca, junto ao INSS para a utilização do período em regime para o qual o senhor está atualmente contribuído, nos termos do artigo 433 e seguintes da IN 77/2015. O senhor poderá agendar esse pedido pelo site do INSS ou ligando no 135.
      Espero ter esclarecido sua dúvida!

  17. Kelli

    Olá. Tenho 45 anos de idade e 27 anos e 1 mês de contribuição. Hoje atuo sem formalização. Vale a pena recolher INSS de forma individual? Qual a melhor forma de fazer isso para completar os 30 anos de contribuição?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Kelli! Antes de tudo, se você atua em emprego informal, é possível que você considere esse período sem a necessidade de contribuir à Previdência. Isso porque existem empresas que não registram os seus funcionários para evitar o pagamento de mais impostos. Para comprovar isso, você precisará dos seguintes documentos: Anotações na Carteira de Trabalho, Registro de empregados da empresa, Holerites, Ficha ponto, PPP ou outros.

      Porém, se não for este o seu caso, vamos para a próxima alternativa. Se exercer atividades como autônomo, ou seja, por conta própria, o ideal é que você recolha contribuições previdenciárias para o INSS como contribuinte individual. De acordo com o art. 21 da Lei 8.212/90, o contribuinte individual recolherá ao Regime Geral da Previdência Social o importe de 20% sobre o salário que recebe da atividade remunerada, ou então contribuir com, no mínimo, 20% do salário mínimo atual.

      Para efetuar as contribuições, você deverá providenciar um carnê que é conhecido como Guia da Previdência Social (GPS), ele pode ser solicitado pela Internet (site INSS) ou em um Centro de Atendimento ao Contribuinte da Receita Federal. Nele deverá anotar o código do contribuinte individual, que é 1007, e o valor que pretende recolher para a previdência.

      Por exemplo: Se o salário que recebe no momento corresponde a um salário mínimo ou menos, a contribuição será de 20% sobre o salário mínimo vigente no país, (equivalente a R$190,80 reais). Porém, se o salário auferido for superior a um salário, será necessário verificar quanto é 20% do salário que recebe atualmente.

      Por fim, vale lembrar que para efetuar os recolhimentos em dia, é importante que o segurado verta as contribuições até o dia 15 do mês seguinte àquele que pretende contribuir, ou seja, se a intenção é contribuir para o mês de fevereiro, a contribuição deverá ser pagar até o dia 15 de março. Espero ter esclarecido suas dúvidas!

  18. Marco Vinícius de Rezende Ribeiro

    Gostei ! Esclareceu algumas dúvidas. Gostaria de tirar apenas mais um dúvida: como pretendo me aposentar por idade e já preencho os pre-requisitos como tempo de contribuição e vou fazer 65 anos em 2019, posso pagar apenas uma contribuição a cada 6 meses para não perder o vínculo ? Agradeço o retorno antecipadamente.
    Att: Marco Ribeiro.

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Marco! A aposentadoria é devida após o cumprimento dos requisitos legais, sendo assim, se o senhor pretende se aposentar por idade e já possui a carência necessária, não precisa mais se preocupar em efetuar as contribuições, basta apenas aguardar a implementação da idade mínima, conforme dispõe o artigo 150, §1º, da IN 77/2015. Espero ter sanado a sua dúvida!

  19. JOÃO CARLOS

    Excelente diagnóstico da contribuição previdênciaria e consequente aposentadoria. Já li em vários sites, incluise no próprio INSS e não vi nada tá elucidativo!!

    Responder
  20. Rejane

    Olá,minha mãe trabalhou bastante tempo na area rural e urbana.
    E um certo tempo perdeu a carteira e não tem os contra cheque, aonde ela possa conseguir a 2 via dos registros da CTPS? ?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Rejane! O ideal é solicitar uma nova CTPS e ir nas empresas nas quais a sua mãe trabalhou para requer novamente as anotações dos vínculos empregatícios. Também existe a opção, para fins previdenciários, de solicitar junto ao INSS o extrato do CNIS. Este documento informa todos os vínculos que sua mãe teve durante todo o tempo contributivo, porém, vale informar que este documento pode apresentar alguns erros que só serão corrigidos com a apresentação da CTPS ou documentação complementar que comprove o vínculo. Para mais informações, procure um advogado especialista em direito previdenciário.

  21. Paulo Francischini

    Gostaria de saber, como faço para verificar se o tempo especial foi concedido, através do portal “Meu INSS”?

    Responder
    • admin

      Boa tarde senhor Paulo! A única forma do senhor descobrir isso é solicitando junto ao INSS a cópia do processo administrativo do seu requerimento, sem isso não existe outra possibilidade. Espero ter sanado suas dúvidas.

  22. HALIM BENEDITO MAUAD FILHO

    Eu trabalhei para meu irmão de 1997 a 1999, na época ele tinha uma empresa de prestação de serviços (eventos: casamentos, recepções, formaturas, eventos corporativos e inaugurações de lojas e empresas) . Ele assinou a carteira mas nunca recolheu e me pagava em mãos, valores variados, de acordo com as possibilidades. Ele estava começando e eu estava desempregado. oi bom pros dois. Tenho como, juntar esse tempo e recolher os atrasados?/ Trabalhei na Altavei – Revenda de automóveis como offfice boy, durane 1 ano sem carteira assinada. Trabalhei por 1 ano como professor do ensino fundamental na Prefeitura de Aracaju concursado, conta esse tempo?? Trabalhei para o IBGE recenseamento e SEAD SP, os dois juntos quase 1 ano, esse tempo conta?/

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Halim! Considerando que o período de 1997 a 1999 você trabalhou com carteira assinada, não há necessidade de recolher os atrasados, basta apenas comprovar isso com a apresentação da própria CTPS e outros documentos complementares, conforme dispõe o artigo 10, I, da IN 77/2015. Porém, como a contribuição para a Previdência era responsabilidade da empresa, nos termos dos artigos 22 e 23 da Lei 8.212/1991, o seu irmão poderá sofrer as consequências disso, é bem possível que ele seja notificado pela Receita Federal para acertar todas as contribuições que deixou de efetuar quanto empregador durante o período mencionado.

      Para comprovar o período em que laborou como office boy, sem carteira registrada, também procure separa a documentação apresentada no artigo 10, I e II da IN 77/2015. Comprovado isso, você poderá ter esse período computado em seu tempo de contribuição sem a necessidade de efetuar o recolhimento dos atrasados, uma vez que esta obrigação era do empregador. O período que exerceu atividade como concursado pode sim ser computado ao tempo de contribuição ao Regime Geral de Previdência Social, porém, para isso, é importante que solicite junto ao órgão no qual fora destinada as contribuições previdenciárias o documento de CTC (contagem de tempo de contribuição) e apresente ao INSS, nos termos dos artigos 433 e seguintes da IN77/2015. Para mais informações, procure um advogado especialista em direito previdenciário. Espero ter esclarecido suas dúvidas!

  23. Anderson Gama Alves

    Bom dia,

    Muito bom o post!
    Gostaria de saber se um servidor público que trabalhou no período de 1983 a 1993 sem contribuição a previdência tem direito de requerer Junto ao INSS certidão de tempo de contribuição desse período para se aposentar pelo Regime Próprio? Se sim, quais são os procedimentos caso estejam negando essa certidão?

    Att.

    Anderson Gama Alves

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Anderson!
      Primeiramente, se o trabalho desenvolvido não foi registrado por culpa do empregador, você precisa solicitar junto ao INSS a inclusão desse período para o Regime Geral da Previdência Social. Para isso, é necessário que você apresente ao INSS documentos que comprovam o vínculo empregatício ocorrido durante o período de 1983 a 1993, conforme indicado no artigo 10, I e II, da IN 77/2015. (CTPS, ficha de registro, contrato individual, etc.). Comprovado isso, você poderá ter esse período computado em seu tempo de contribuição sem a necessidade de efetuar o recolhimento dos atrasados, uma vez que esta obrigação era do empregador. Após a comprovação, agende no site do INSS ou solicite pelo número 135 a CTC, ou seja, certidão de tempo de contribuição, e apresente ao Regime Próprio no qual está atualmente vinculado. Para mais informações, procure um advogado especialista em direito previdenciário.
      Espero ter esclarecido as suas dúvidas!

  24. Gabrielle

    Estou com meu INSS atrasado 8 meses como devo proceder?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Gabrielle!
      Se você tiver a intenção de recolher as contribuições que possuem menos de 5 anos de atraso, entre no site da Receita Federal para calcular este valor. Apenas alertamos que antes de efetuar o pagamento dos atrasados, verifique se esta é a melhor alternativa para você. Não raras vezes o valor a ser pago é alto, valendo a pena, às vezes, efetuar as contribuições a partir de agora. Procure um advogado especialista em direito previdenciário para se informar melhor sobre isso. Espero ter sanado suas dúvidas!

  25. paulo cruz

    boa noite, tenho algumas duvidas referente a aposentadoria especial que é meu caso. pelos calculos que fiz, no proximo ano posso dar entrada na minha aposentadoria por tempo de contribuição, já que trabalho em regime especial(insalubridade. vou fazer 45 anos de idade e somado o tempo comum com o tempo especial vai dar 35 anos de contribuição, vai ser calculado a expectativa de vida para e reduzir o valor medio de salario que vou me aposentar? ou vai ficar a media das ultimas 80 contribuições?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Sr. Paulo! Para as aposentadorias por tempo de contribuição e especial, sempre é feita a média aritmética simples dos 80% maiores salários de contribuição desde julho de 1994 para chegar ao valor da renda mensal inicial que o senhor irá receber.
      Primeiramente é importante entender que a aposentadoria por tempo de contribuição pode ser de duas formas: Com a aplicação do fator previdenciário ou sem a aplicação do fator previdenciário. Na aposentadoria por tempo de contribuição com a aplicação do fator previdenciário, basta o segurado cumprir o requisito de 35 anos de tempo de contribuição. A partir disso, será feita a analise dos 80% maiores salários de contribuição e depois será, ainda, aplicado o fator previdenciário que tende a reduzir ainda mais a RMI do segurado. Este fator tem como objetivo reduzir as aposentadorias precoces. Já a aposentadoria por tempo de contribuição sem a aplicação do fator previdenciário, também conhecida como aposentadoria por pontos 85/95, como se verifica, não há a incidência do fator previdenciário. Para ter direito a esta aposentadoria, é necessário completar 85 pontos, se mulher, ou 95, se homem. Para calcula esta pontuação, basta somar a idade atual com o tempo de contribuição. Na aposentadoria especial, como dito, também é feita a análise dos 80% maiores salários de contribuição, porém, neste caso também não tem a aplicação do fator previdenciário. Para a concessão desta aposentadoria, é necessário que o segurado possua, no mínimo, 25 anos laborados em meio insalubre.
      Portanto, respondendo mais pontualmente a sua indagação, e de acordo com as informações apresentadas, o benefício que o senhor terá direito ano que vem é a aposentadoria por tempo de contribuição COM a aplicação do fator previdenciário, tendo em vista que o senhor completará 35 anos de tempo de contribuição. Espero ter esclarecido suas dúvidas!

  26. Maxwell Rocha da Silva

    Gostei da informação.

    Responder
  27. Claudia Motta

    Por favor vc poderia me explicar um pouco mais no item 5? Afinal tem uma Lei especifica onde na qual possamos consultar e dizer aoinss eu tenho direito e vcs tem que reconhecer este periodo?
    O meu caso é que eu trabalhei para uma empresa de 2006 á 2010, sendo que em meados de agosto de 2009 esta empresa me registrou e no ano seguinte em março de 2010 me dispensou , porém a empresa agiu de má fé e não me pagou nada nem em CLT e nem o tempo sem serviço, então tive que procurar um advogado trabalhista e pedi os meus direitos, sendo assim a causa foi ganha ,e realmente foi constatado todos os erros e abusos da empresa.
    Então vem a minha pergunta:
    O período que fiquei sem registro de 01/01/2006 até agosto de 2009 ( onde se encontrava sem registro) eu posso pedir a inclusão deste vinculo na minha contagem para aposentadoria? Como proceder com isso la na frente ainda me falta 10 anos para aposentadoria? Lembrando que eu tenho todos os documentos relativos á empresa desde quando comecei e tbm o do processo trabalhista.
    Obrigado
    Me chamo Claudia

    Responder
    • admin

      Olá Claudia! Sua situação realmente é delicada. Fique tranquila, que um de nossos especialistas em breve entrará em contato com você.

  28. Antonio Godinho

    Boa tarde !!
    Trabalhei registrado em uma empresa de 01/06/1985 até 01/11/2000.
    No ano de 2000 a empresa me demitiu e pediu que eu continuasse trabalhando e para isto eu deveria emitir NF ou RPA (Recibo de pagamento de autônomo).
    Por 7 anos trabalhei nesota situação.
    Em 2007 a empresa parou de pagar meus salários. Quando entrei com uma ação na Justiça do trabalho.
    Fizemos um acordo na esfera trabalhista.
    Nada foi anotado na minha carteira de trabalho, mas tenho tudo documentado.
    Posso usar este período de 7 anos sem registro em carteira para contagem na minha aposentadoria ?

    Responder
    • admin

      Olá Antonio! Um de nossos especialistas irá entrar em contato com você em breve para te ajudar.

  29. Doberto

    Queria saber como provar que trabalhei no período noturno se não tiver registrado em carteira, trabalhei com escala, 1 mês a noite, 1 mês a tarde é 1 mês prlp manhã!

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Doberto! Para comprovar esse período em que você trabalhou sem carteira registrada, procure separar a documentação apresentada no artigo 10, I e II da IN 77/2015 (como: Termo de rescisão contratual, ficha de registro de empregados, contrato individual de trabalho, comprovante de recebimento de FGTS, etc.). Além disso, caso a documentação não seja suficiente, é possível a comprovação por testemunhas. Espero ter esclarecido sua dúvida!

  30. ivanildo

    gostei, me ajudou muito.

    Responder
    • José Sérgio Correa

      Gostei, bom saber, estou com problemas com a minha aposentadoria por várias razões e ainda não me deram uma solução.

  31. Rosi

    Tenho 58 anos e aproximadamente 20 anos de contribuicao. Fiz um simulação, e descobri que estou devendo ao inss? Alguns empregadores, que trabalhei com carteira assinada, não fizeram o recolhimento do imposto, e agora sou eu que precisa pagar?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Rosi. Não se preocupe com isso, você não terá que pagar nada. Esta contribuição é de responsabilidade da empresa, os empregados não podem ser prejudicados por isso. Para ter esses períodos computados em sua contagem, é necessário que a senhora apresente ao INSS a CTPS que comprova o vínculo com a empresa em questão. É possível ainda a apresentação de documentos como: ficha de registro de empregados, contrato individual de trabalho e outros mencionados no artigo 10, I e II do IN 77/2015. Certamente se a senhora apresentar documentos que comprovem isso, esses períodos serão considerados para o cálculo de sua aposentadoria! Procure um advogado especialista em Direito Previdenciário para lhe auxiliar melhor nessa pesquisa.

  32. Maria Lúcia

    Preciso saber se o período de 90 dias de experiência contam como tempo de serviço para aposentadoria? É possível averbar esse tempo quando chegar a época da aposentadoria?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Maria Lucia!
      Conta sim! Certamente houve a anotação em CTPS já no início do contrato de experiência, portanto, ela serve de prova para a averbação deste período em sua contagem de tempo de contribuição. Se não houve, procure outros documentos que comprovem este vínculo (como: contrato, rescisão, holerites, ficha de funcionários, etc.) e apresente ao INSS quando for requer um benefício previdenciário. Para mais informações, procure um advogado especialista em Direito Previdenciário. Espero ter esclarecido suas dúvidas!

  33. jackes

    ola sou acadamico de direito e gostaria de saber em que área posso atuar mesmo ainda não tendo me formado

    Responder
    • admin

      Olá Jackes! Para atuar em qualquer área do Direito, é preciso ter inscrição da OAB, que só é possível adquirir ao término do curso de Direito. No momento você pode apenas realizar apenas as atividades de estágio.

  34. Julio Soares Lopes

    Olá eu tenho13anos como vigilante arm. +10 anos de apost +8 anos pagos e eu tenho 58 anos de idade.

    Responder
  35. Paulo Renato Coutinho

    Muito bom seus esclarecimentos, é por isso que ninguém te orienta corretamente , INSS , Receita Federal , e até muitos Profissionais da área , que as vezes nem sabem o que estão fazendo , ou que deveriam fazer a aqueles que os procuram.

    Responder
  36. carmen selene frandalozo

    Adorei o Blog. Como tantos, também tenho uma dúvida. Sou eu quem cuida dos pagamentos das contribuiçoes ao INSS do meu esposo, só que andei me perdendo em alguns meses e como falta pouco tempo para ele se aposentar, gostaria de saber onde eu posso me informar dessas parcelas que ficaram para trás. No meu intender são de três a quatro meses. Se puder me ajudar ficarei feliz. Obrigada.

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Carmen!
      É possível que a senhora faça o pagamento das parcelas atrasadas, caso tenha efetuado as contribuições como contribuinte individual. Existem duas formas de recolher em atraso para o contribuinte individual: sem apresentar provas do trabalho e apresentando provas do trabalho. Ou seja, em alguns casos o contribuinte individual pode calcular o INSS atrasado diretamente pela internet sem precisar apresentar nenhuma prova no INSS, e em outros é preciso, antes de pagar qualquer coisa, comprovar através de documentação o exercício da atividade profissional. Não há necessidade de comprovar o trabalho se o seu esposo você já estava cadastrado na categoria ou atividade correspondente. Ou seja, desde o primeiro recolhimento em dia na categoria ou cadastro da atividade exercida na Previdência Social, desde que o atraso não seja maior que 5 anos, você pode recolher em atraso, sem precisar comprovar que efetivamente trabalha nessa categoria ou atividade. Neste caso, seu esposo não precisará comprovar sua atividade profissional. Basta calcular diretamente pela internet o INSS em atraso, emitir as guias e fazer o recolhimento em atraso. Precisa comprovar o trabalho e não adianta somente realizar o recolhimento em atraso quando:
      – O atraso é maior que 5 anos, que será feita nos termos do artigo 45-A, Lei 8.212/1991.
      – O atraso é menor que 5 anos, mas você nunca contribuiu para o INSS como contribuinte individual;
      – O atraso é menor que 5 anos, e você quer pagar em atraso para período anterior ao primeiro recolhimento em dia na categoria ou cadastro da atividade exercida na Previdência Social.
      Por fim, deixamos um alerta para sempre verificar o cálculo do pagamento dos atrasados junto ao INSS. Não raras vezes o valor a ser pago é extremamente alto, valendo a pena, às vezes, começar a pagar desde já até completar os requisitos da aposentadoria desejada, fique atenta. Espero ter sanado suas dúvidas!

  37. CIBELE APARECIDA DE MORAIS

    A MINHA MAE TRABALHOU 10 ANOS SEM REGISTRO EM UMA EMPRESA COMO FAÇO PARA COMPROVAR QUE ELA TRABALHOU ESSE PERIODO?

    Responder
    • admin

      Boa tarde, Cibele!
      Respondendo a sua pergunta, para comprovar o período em que a sua mãe trabalhou em empresa, sem carteira registrada, procure separar a documentação apresentada no artigo 10, I e II da IN 77/2015 (como: Ficha de registro de empregados, contrato individual de trabalho, comprovante de recebimento de FGTS, etc.). Além disso, caso a documentação não seja suficiente, é possível a comprovação por testemunhas. Comprovado isso, a sua mãe poderá ter esse período computado em seu tempo de contribuição sem a necessidade de efetuar o recolhimento dos atrasados, uma vez que esta obrigação era do empregador. Procure um especialista em Direito Previdenciário para informar melhor sobre essa possibilidade. Espero ter esclarecido sua dúvida.

  38. Neusa Fátima Alves dos Santos

    Tenho 20 anos de carteira assinada e tenho trabalhado desde 1978.
    Trabalho muitos anos em trabalho informal, mas sempre declarei imposto de renda.
    É a única coisa que tenho para provar o meu trabalho.
    Gostaria de me aposentar por tempo de serviço, em virtude de o salário ser melhor.
    Teria direito de me aposentar sem o pagamento do atrasado, somente com a comprovação da declaração do imposto de renda?

    Responder
    • admin

      Olá Neusa! Para ter direito ao benefício de Aposentadoria Por Tempo de contribuição, será necessário ter 30 anos de tempo de contribuição, para a mulher. Não é possível contar o período sem indenizar a Previdência Social.

  39. Naomi Temmhortz

    Há 02 anos estou desempregado mas continuo contribuindo pela opção FACULTATIVO pois estou próximo de me aposentar 08/2018. Então estas contribuições não contarão para minha aposentadoria?

    Responder
  40. ADILSON EVANGELISTA DE JESUS

    Trabalho a seis meses em um segundo emprego das 18 as 00:00
    esse segundo emprego conta tempo e valor para aposentadoria???

    Responder
  41. Cristina Dias Possoli

    Bom dia
    Fiquei desempregada no período de setembro/1997 a 03/1999, nesse período trabalhei vendendo roupas, viajava para Santa Catarina comprando roupas para revender em Curitiba, hoje estou vendo a falta que fez eu não ter recolhido INSS. Gostaria de saber se posso recolher esses dois anos com multa e juros e se eu recolher será computado como tempo> deixo meu email e celularar para que se possível entrem em contato. Antecipadamente fico grata pela atenção dispensada. Cristina@tecnovapor.com.br celular 41 9 9627-9232.
    Cristina Dias Possoli

    Responder
  42. Antônio Rogério de Castro Cruz

    Meu pedido foi negado. Tenho um tempo pago em dois empregos um a noite e outro ao dia. O inss só reconhece um para o tempo de contribuição.

    Responder
  43. Maria da Conceição Siqueira Santos

    Trabalhei como professora em uma escola particular durante uns 04 anos aproximadamente,entre 1989 a 1993, não era registrada, a empresa me disse que ia me registrar, pediu minha carteira de trabalho, mas quando saí da escola descobri que a empresa não havia m registrado e recolhido o INSS, não tenho comprovante, pois na época a escola não dava holerites, apenas nos dava um recibo para assinar e nos pagava em dinheiro, eu apenas possuo uma declaração da empresa que confirma que trabalhei lá, mas a declaração foi pedida quando eu tinha apenas 01 ano de trabalho na escola, não tenho nada do tempo restante , trabalhado. Essa declaração eu pedi para comprovar meu tempo de magistério para participar de um concurso. A escola foi muito resistente mais acabou me cedendo o documento. Enfim, é possível eu utilizar esse tempo, trabalho hoje em uma escola particular e conto com 21 anos e meio de tempo de serviço, tenho 60 anos de idade. Posso pagar esses 04 anos para me aposentar? Aguardo sua orientação, obrigado

    Responder
  44. Zilmar Tauber

    Meu comentário, é em forma de pergunta.
    Tenho 62 anos e agendei com o INSS, para apresentar minha aposentadoria.
    Porém meu primeiro emprego foi num Banco em 1974 (trabalhei 12 meses, completos.
    E não aparece no INSS este ano e também 4 meses de 1983 ( autônomo) e todo o ano (12 meses) em 1984.
    Portanto, 1974 (carteira profissional
    1983, 4 meses (autônomo)
    1984, 1 ano (12 meses completos) autônomo. Não aparecem nos registros do INSS.
    SERÁ QUE O INSS ACEITA EU MOSTRAR A CARTEIRA PROFISSIONAL E OS CARNÊS PAGOS?
    Muito obrigado!
    Zilmar

    Responder
  45. maciel sigeiro

    tenho 32 anos de contribuição e farei 52 anos de idade em junho de 2018. quando consiguirei me aposentar integralmente? e tenho 2 anos de Senai e 3 ppp de firmas que trabalhei. sou torneiro mecanico. obrigado.

    Responder
    • Xhenrique

      Maciel, sua situação é igual a do meu pai, ele conseguiu aposentar quando completou 55 anos e 25 anos de contribuição (precisou tanto da idade quanto do tempo)

    • daniel

      Torneiro Mecanico é insalubre, com certeza voce conseguira, completar os 35 anos de contribuicao. Usando estes PPP.

  46. Fernando Canedo

    Ola, tenho periodos que somam 4 anos sem contribuicao ao inss, nesse periodo prestava serviço ao meu pai que tinha uma representação mas não tinha condição de me registrar pois a retirada era pouca. Como faço para pagar esses periodos e contar para o tempo de servico? Pode ser feito uma declaração da empresa informando que trabalhei?

    Responder
  47. Odair Ribeiro das Neves Teddy Berrante

    servi o exercito, sei que conta para aposentadoria, mas me veio uma questão no serviço militar estamos expostos a uma serie de situação, estamos em ambiente de periculocidade, salubridade, jornada noturna de guarda, e ai deveria contar especial, fica a provocação.

    Responder
  48. Carlos de Oliveira

    A pessoa q trabalhou de carteira assinada em três firmas e contribuiu com o inss pode retirar este valor q foi pago durante o tempo em q trabalhou

    Responder
  49. Helvecio Bressan

    Otimo trabalho. Se me permite gostaria de saber: o profissional pode recolher INSS sobre o salário mínimo independentemente do valor recebido no mês pela prestação de serviços?.

    Responder
  50. vanessa

    Bom dia!

    A situação da minha mãe é o seguinte, ela sempre trabalhou como costureira em casa no período de 89 a 2006, em 94 ela começou a pagar como autônoma e parou em 95, somente em 2007 ela começou a trabalhar em uma empresa, em 1990 ela tem a certidão de nascimento da minha irmã que tem a profissão dela. Estava querendo pagar retroativo esse período de 1989 a 1994 ou se seria melhor pagar o período de 1995 a 2007, se um desses períodos conta como aposentadoria? e se há possibilidade de pagar?. Ela tem testemunhas desse período, mas não tem provas, só a certidão de nascimento o que acha?

    Responder
  51. Ignez C Ninni Ramos

    O INSS pode considerar tempo de trabalho como autônomo exercido em outro país, para efeito do pagamento em atraso do INSS?

    Responder
  52. Paulo

    Meu filho em 2014 trabalhava sem vínculo empregatício como Contribuinte Individual. Ministrava aulas como Personal para Pessoas Físicas. Ou seja sem nenhuma prestação de serviço, com ou sem vínculo empregatício, para Pessoas Jurídicas. Fez sua declaração de imposto de renda e ficou isento. Ele pode recolher sua contribuição previdenciária com a alíquota de 11% sobre o salário mínimo vigente na época ?

    Responder
  53. Joao Barbosa

    E no caso de quem vendeu mercadorias na rua por dois ou treis anos como pagar o INSS atrasado e comprovar que trabalhou na rua : exemplo : porta a porta

    Responder
  54. RAQUEL COSTA TOLEDO

    Trabalhei como autônoma um período. São 15 anos. O INSS quer que eu comprove com notas fiscais ou outros documentos. Pergunto se sou obrigada a guardar essas notas uma vez que a receita manda guardar comprovantes por apenas cinco anos. Tenho todos os materiais guardados e revistas usadas na confecção das bijuterias. Isso seria aceito como prova?

    Responder
  55. MAX DANIEL MARTINS

    Trabalhei por duas vezes na China e sem registro na minha carteira. Donos da empresa brasileiros mas fabricas chinesas. Tenho os doiS passaportes e o registro de chamado “working permition”, ou seja autorização para trabalhar na China. Será que isto é suficiente para comprovar e pagar esses anos atrasado? Obrigado

    Responder
  56. Mara Lucia Sissy Loureiro

    Ótimo post, muito esclarecedor.
    No meu caso não sei como proceder, pois tenho 6 anos no total de atrasos, em que fiquei sem trabalhar formalmente pois foram anos em que me dediquei à pintura. O inss me informou que pra pagar esses anos eu deveria ir à Receita Federal pra que eles fizessem os cálculos e negociassem a forma de pagamento. Mas se o pagamento dos atrasados sem comprovante, não vale….o que devo fazer?

    Responder
  57. LUCIANO

    Ola Boa tarde .

    Noa ano de 2017 trabalhei por conta e declarei no imposto de renda, mas não paguei o inss. agora a receita esta me cobrando tenho que pagar?

    Responder
  58. VERONICA WINTER

    Tenho 210 meses de contribuição como empregada – e mais 80 meses como MEI estou com 52 anos tenho como me aposentar por tempo de contribuição?

    Responder
  59. Gilberto Camasmie

    Fazendo pesquisa sobre como pagar parcelas atrasadas (no caso aqui, mensais e 3) “cai” no sua site e saiba que gostei muito: objetividade, clareza e transmissão de segurança.

    Tenho aqui uma pergunta:

    contribuo mensalmente para meu filho com código 1007 (Contribuinte Individual) apenas para garantir-lhe aposentadoria no futuro.

    Vi no seu boletim q poderia (ou deveria ?) contribuir com cód de Contr. FACULTATIVO.

    Posso mudar a qualquer tempo, sem prejuizo do já pago anteriormente como Contr Individual?
    Como agir ?
    Antecipadamente grato pela sua atenção

    Gilberto Camasmie
    gcamasmie@gmail.com

    Responder
  60. Ronan Quintino

    trabalho de carteira assinada mas não quero contribuir com INSS

    Responder
  61. Roseli bonkovoski

    Pagamento em duplicidade conta anos a mais na aposentadoria? EX: tenho uma empresa pago inss a 15 anos e num determinado ano meu marido trabalhou 2 anos em outra empresa registrada e pagou INSS na empresa e no trabalho dele e falta 2 anos para ele se aposentar., ele ja pode pedir a aposentadoria?

    Responder
  62. Jeferson

    Olá bom dia. É o seguinte eu tive uma fratura na coluna em 1999….. Desde então eu não trabalhava na época pois era de menor….. E após consegui trabalhar mas sempre com muita limitações. E as vezes estou doente e não consigo benefício… A perícia médica me falou que é o INSS que tá negando e não os peritos.

    Responder
  63. Keila

    Boa noite, Dra.

    Preciso tirar umas dúvidas se possível:

    1) trabalhador que serviu o exército. Conta esse tempo?
    2) também trabalhou como motoboy (exposto ao sol excessivo, chuvas) conta esse tempo como especial?
    3) caso as dúvidas acima sejam positivas, ele já atingiu o tempo de contribuição, porém tem só 44 anos de idade. Ele tem direito à aposentadoria?

    Desde já agradeço.

    Responder
  64. Julio Francisco Cozzetti

    Fiquei na Policia Militar por 12 anos e alguns meses. tenho direito a contar este tempo para aposentadoria? Este tempo dá direito por lei a algum adicional?

    Responder
  65. airton

    bom o meu caso estou com problema na coluna e ainda não tinha terminado os dias de atestado do medico o INSS me voltou ao trabalho trabalhei dois 2dias e não aguentei . eles me sugeriu mudar de função mais eles não me trocaram pós nos setores do meu trabalho as funções são sempre as mesma o caso estou por se ~so o trabalho me mandou eu procurar medico fora … e não sei o quefazer ou como proceder .

    Responder
  66. Neusa Vieira

    Recolhi três anos atrasados como contribuinte individual, pedi aposentadoria por tempo de contribuição, INSS não considerou os recolhimentos em atraso, é possível o INSS devolver esse dinheiro?

    Responder
  67. Renata Souza

    o falecido pai de minha filha morreu, não contribuia com INSS…ao longo da vida foram apenas 2 anos de contribuição quando trabalhou em uma empresa. quando morreu a minha filha tinha 2 anos…e ele havia trabalhado há mais de 7 anos e desde então contribui mais…. ela tem algum direito ou benefício?

    Responder
  68. JOSÉ MARIA BATISTA

    Tenho 23 anos e 8 meses de contribuições, estou atualmente c/ 65 anos e 6 meses de idade. Trabalhei quase 10 anos sem registro em carteira na mesma empresa onde estou registrado desde 03/2004 . Sera que o meu advogado conseguirá fazer a P.Social reconhecer esses anos sem registro em carteira ? Meu advogado nada comentou, apenas me dizendo que minhas contribuições dos últimos anos quase atingiram o teto máximo. Mas isto não me convenceu; Qual seria o peso p/ o meu empregador se ele assumisse perante à lei que realmente trabalhei sem registro de 1994 ao inicio de 2004 ?
    Grato antecioadamente

    José Maria Batista

    Responder
  69. Ana Elisa G Quadros

    Boa Tarde. Sou Ana e tenho 56 anos e 3 meses de idade. Trabalhei registrada de 1989 até (1990a 07/2002). na cef onde era concursada, porém fui demitida em 07/2002. Período cef 10/01/1990 até 04/07/2002, porém em 03/04/2001 entrei em B 91 Auxíllio doença acidentário e como estava desconfiada q seria demitida interpus ação judicial de Antec Tutela (hj tutela de urgencia) a qual de arrastou até o STJ onde em 14/11/2014ganhei o direito de retroação do benefício para a DID 03/04/2001 até 11/04/2017 qdo passei pelo pente fino . Não recebi o resuldado da perícia, mas continuei recebendo o benefício normalmente até 04/09/2017 qdo vim a descobrir que o Dr, para ser gentil, havia me dado ALTA MEDICA. Embora tenho ido várias vezes ao inss E LIGADO ao 135 e a resposta sempre foi a mesma, seu benefício esta ativo. Bem, no dia 04 de setembro mesmo fiz um recolhimento conforme instruões do INSS, pois havia pgtos até Agosto. DEI ENTRADA DIA 15/08/2017, COM A GPS PAGA NA APOSENTADORIA POR TEMPO CONF ART 53 ,II(se não me ingano) da lei 8613/91 e, contou 32 anos, 5 meses e 23 dias , porém o benefício foi indeferido, com a alegação do funcionário de que não sabia o que fazer, conf comentario do pp. MOTIVO DO INDEFERIMENTO: não foi reconhecido direito ao benefício, pois até 16/12/98 foi comprovado apenas 14a, 0 m e 28 d….” E agora, faço um pagamento em atraso desde maio até julho/2017, já que e a única coisa q posso pensar que possa ter acontecido?Ou entro na justiça para me aposentar, com urgencia, pois tfoi fazer uma cirurgia no braço e não tenho como ficar sem dinheiro por conta de erros do INSS? oBRIGDA, ANA ELISA

    Responder
  70. marcos lucio da silva

    ola bom dia eu marcos lucio da silva trabalhei mais ou menos dois anos sem registro e nao tenho nada que prove a nao ser o cnpj da empreza que hoje ja esta encerrada.
    outra pergunta sempre trabalhei de borracheiro quero saber se me enquadro no servico de periculosidade ja que trabalhar com a mao de obra de pneus de caminhoes e maquinas e pesado e de vez em quando ocorre estouro

    Responder
  71. Edélcio Walmir Salvador

    Trabalho a 18 anos como Pintor Industrial(1999/2017),porém,de 1986 à 1989 também trabalhei como Pintor com meu pai,Ele tinha empresa na época mas não registrou minha carteira e nem recolhi INSS,Eu era de menor na época.De 1990 à Janeiro de 1996 tenho registro como zelador.No período de Fev/1996 à Out/1999 trabalhei como autônomo voltando a trabalhar como Pintor,gostaria de saber o que posso fazer para conseguir recuperar esse período sem contribuição.

    Responder
  72. Geraldo Antonio dos Santos

    Bom dia! Você esta de parabéns com este seu blog. Por nos orientar com estas questões previdenciárias. Trabalhei como proprietário e não contribui com o INSS individual só da empresa eu tenho algum recurso que possa me ajudar na contagem de tempo para que possa me aposentar?

    Responder
  73. ALEX SAND RAMOS DINIZ

    Bom dia! Trabalhei o ano de 2015 e 2016 em uma empresa e não assinei a carteira, no momento trabalho por conta própria, estive conversando com o meu ex patrão se ele poderia registrar mina carteira o período que trabalhei ele disse que tudo bem, trabalhei como soldador (especial – periculosidade). Gostaria de saber se esse procedimento pode ser feito no INSS pagando todos os atrasados e se após regularizar contará tempo para minha aposentadoria? Obrigado!

    Responder
  74. Isabel Cristina Almeida

    Sou autonoma e pago inss so que devido a dificuldade financeira passei um periodo sem pagar. Se contasse com edte peripdp ja ppderia me aposentar. Tenho dificuldade financeira para quitar o periodo atraso. Tem alguma forma de contar este periodo e nao pagat?

    Responder
  75. Valdir Krevoruczka

    Depois que me aposentei, continuei a recolher por mais um ano.
    Tenho direito de receber o valor de volta.
    Como proceder?

    Responder
  76. Raíssa Ribeiro

    Olá! Boa noite! Gostaria de saber se o que vcs mencionaram acima sobre o segurado que não teve carteira assinada pedir que o INSS reconheça o período sem registro na carteira de trabalho para a sua aposentadoria se aplica a um trabalho realizado em 1987 e se precisa para o reconhecimento do vínculo ingressar com a reclamação trabalhista.

    Responder
  77. osias francisco souza de oliveira

    muito boa noite a todos, eu sou funcionário público militar aqui no rj, (policial militar) e como vejo a possibilidade de mudarem o meu tempo de aposentadoria, gostaria de de alguma forma tentar reduzir o tempo que me falta, pois trabalhei de carteira assinada por um ano e sete meses durante o tempo que não estive no serviço militar, antes de me alistar na marinha e no intervalo entre a baixa da marinha e ter entrado na PMERJ, como ja tenho 17 anos de pmer, 8 anos e 3 meses de marinha, um ano e sete meses de inss, eu calculo faltar 3 anos, mas gostaria de diminuir isso, pois trabalhei como vendedor de rua nessa época, só não existem muitos comprovantes além de testemunhas e talvez notas fiscais se eu conseguir na empresa onde comprava uma segunda via das mesmas, oque acho pouco provável devido o tempo já passado.

    Responder
  78. MARCOS ANTONIO LUIZAO

    MUITO BOM ESSAS INSTRUÇÕES , PRECISO FECHAR O MEU TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO PARA APOSENTADORIA DE 01/DE 1992 A 30/06/1997, TRABALHEI COMO AUXILIAR DE ESCRITORIO.

    Responder
  79. Pedro Augusto Machado

    Eu me aposentei já há 2 anos só que continuo trabalhando queria saber se tem acréscimo na minha aposentadoria

    Responder
  80. iraci domingos de melo sales

    Muito bom gostei muito de ler essas informações sobre, um assunto tão perplexo como Sobre o INSS

    Responder
  81. Rodrigo

    ola, tenho uma M.E , está atrasado 4 anos , tenho que pagar todos para ter os benefícios?

    Responder
  82. Luiz Fernando Vidilli

    Boa Tarde. Trabalhei um período como Vendedor Autônomo (Jan/1975 à Abr/1976), em uma empresa . Ela recolhia o inss religiosamente, pois eu era o único autonomo da Empresa. Fui ao INSS dar entrada em n/aposentadoria por tempo de Serviço e verifiquei que este período não constava na m//contagem de tempo. Argumentei no INSS que a Empresa fazia o Recolhimento do INSS mensalmente que inclusive eu fui por diversas vezes fazer o pagamento. No inss fui informado que o mesmo foi informatizado a partir de 1976 e que todos os documentos antigos tinham sido incinerados e que eu deveria comprovar esse período com holerites, recibos, talões de pedidos, fotos da época como dono da empresa. A Empresa fechou em 1980 devido ao falecimento do proprietário e hoje não consigo encontrar nada de documentos da época, nem com suas filhas e o Escritório de contabilidade já encerrou suas atividades também.Minha dúvida é a seguinte; O inss não é obrigado a ter essas Guias de Recolhimentos registradas em disquetes .
    Antecipadamente, agradeço pela atenção.
    Fernando Vidilli

    Responder
  83. hilda

    Parabéns, é super esclarecedor, conciso, ótimo conteúdo e o principal é que você dissertar sobre assuntos que nós, a população, não temos conhecimento. Você deve ser uma excelente profissional. Parabéns novamente.

    Responder
  84. G Júlio

    Sou contador e desconhecia as informações postadas, extremamente uteis, inclusive para o meu caso.
    Solicitei aposentadoria por tempo de contribuição e surpresa. 5 anos que recolhi como socio da empresa de contabilidade aparece no CNIS como PREM-EXT, ou seja parece que não irão considerar com o tempo de contribuição. Help me please.

    Responder
  85. ALTAIR JOÃO PANDINI

    Olá, gostaria de parabenizar pela riqueza, qualidade e informações do conteúdo. Minha dúvida é se tem como ainda eu apenas fazer a averbação do meu tempo de contribuição incluindo o tempo de roça como se diz.

    Responder
  86. Eliana

    Eu trabelhei prestando serviço como enfermeira em um asilo eles não recolhem RPA, mas tem como eu pagar o inss deste período?

    Responder
  87. Valkiria Mota Mombaque

    Boa noite Dra, poderia falar um pouco mais sobre o item 5? Autônomo que prestou serviços a empresas comprovadamente e que não recolheu INSS nesse período? Tenho conversado com alguns advogados aqui da minha região mas percebo que eles desconhecem esse direito. Porque desde 2003? Onde buscar mais orientação a respeito? Agradeço se puder me responder.

    Responder
  88. Jomar Justino Barbosa

    Trabalhei por sete anos como autônomo. não recolhi INSS. Não tenho comprovantes. Existe alguma forma de pagar o INSS atrasado e valer para a aposentadoria?

    Responder
  89. Mauro Jorge Braga pereira

    Estive ontem dia 17/04 no escritório para tratar de assunto do meu interesse, sobre aposentadoria no qual obtive um atendimento com muita atenção ,profissionalismo ,competência ,e com resultados eficaz . Recomendo as pessoas que precisam de atendimento ou tratar assunto sobre aposentadoria , agende uma visita ao escritório dá Dra .Aparecida Ingracio que o atendimento e superdente você sairá muito grato pelo belo atendimento ,dou nota 10 muito obrigado

    Responder
  90. Ivonete

    Trabalhei por 13 anos como mãe voluntária de 4 a 6 horas por dia (Presidente, Tesoureira e Conselheira fiscal dá Associação de Pais e Professores) em dois Colégios e, nesse período fiz Faculdade de Pedagogia. Tenho como comprovar, será que posso usar esse tempo para aposentadoria?

    Responder
  91. Maria sueli

    Eu já estou aposentada, mais o INSS não contabilizou o tempo que fui autônoma e nem de uma empresa que me registrava de três em três meses por cinco anos, eles faziam isso pra não pagar encargos então eu era registrada e com três ou quatro meses davam baixa na minha carteira isso eu tenho cinco registro da mesma empresa, por este motivo aposentei por idade e 15 anos só de contribuição posso recorrer ?

    Responder
  92. Claudio Teixeira

    Fui sócio de uma empresa de software, sem funcionários, e desenvolvi programas para vários clientes entre 1991 e 1999, mas não fiz o meu recolhimento individual ao INSS. Posso recolher o INSS deste período? Recebia pro-labore

    Responder
  93. Denise gonçalves da graça

    sou vendedora da avon a quase 30 anos. tenho direito de me aposentar?

    Responder
  94. Dianara Bohn

    Trabalhei em uma empresa por 9 anos, porém não depositaram o INSS por 5 anos. Esse período vai faltar na hora de me aposentar. A empresa era de familiares. O tempo de recorrer já terminou. Como resolvo isso ?

    Responder
  95. maristela

    Olá,gostaria de saber se posso pedir revisão da minha pensão. no inss,sou pensionista a 22 anos por morte!

    Responder
  96. Renato

    Eu servi o exército durante 5 anos isso dobra o tempo ou e normal

    Responder
  97. Jocelin Walton Schiavon Filho

    Ola! Mais que um comentario, desejo esclarecer uma duvida. Se for possivel. Trabalhei por mais de 20 anos como seguranca na noite curitibana. Nao recolhi como autonomo. Grande erro, pois poderia ja estar aposentado. Existe algo a ser feito, visto que nao tenho como comprovar? E quais as condicoes atuais para aposentadoria proporcional?
    Deixo aqui minha satisfacao com relacao a este artigo. Muito bom e esclarecedor.
    Grato pela atencao !

    Responder
  98. Reni Marta

    Boa noite. Por gentileza, meu filho trabalhou em nossa pequena empresa por 10 anos e, não foi registrado. Como contar este tempo p efeitos de aposentadoria?

    Responder
  99. Isanete

    Ola trabalho ha 22 anos como caseira mas ha 10 anos assinaram minha carteira noa tenho provas recibos q consta q moro como caseira ha 22 anos esse ano posso me aposentar por tempo de servico

    Responder
  100. Mauricio Idalgo

    Bom dia! Obrigado por compartilhar seus conhecimentos. Trabalhei como autônomo e pagava impostos via NF de serviços. Porém deixei de pagar 18 meses da GPS. Pretendo dessa forma realizar o pagamento e irei reunir os comprovantes de trabalho, conforme seu informe.

    Responder
  101. Maria Antonietta DElia Campos

    Tive um problema pessoal e os carnês de contribuição quando era sócia gerente de uma loja por 5 anos desapareceram , o contrato social dessa loja que já encerrou as atividades ( infelizmente tive que fechar em 2001 ) e o o IR da época onde mostrava o pro labore podem comprovar para eu poder pagar os atrasados?
    Tenho um agendamento daqui a dois meses com o INSS para falar sobre aposentadoria.

    Responder
  102. giselle de faria pfaltzgraff

    Adorei seu post e preocupada com as possíveis mudanças na lei gostaria de saber: Fui tentar dar entrada na minha aposentadoria por tempo de contribuição e tive o meu pedido indeferido porque estou com um período em aberto de 1999 à março de 2003. Nesse período trabalhei como prestadora de serviço para uma empresa. Tenho todos os comprovantes de rendimento anual declarados por ela e esses valores declarados no meu IR. Sou psicologa e até hoje contribuo como contribuinte individual. Agendei uma data para apresentar recurso, mas não sei se consigo que o INSS aceite. Preciso apenas de dois anos para conseguir me aposentar pelo teto e não entrar no fator previdenciário. No dia 21/09/2017 estava com 29a 03m 05d e com 53 anos. O que me aconselha? Preciso contratar um advogado para me representar no dia desse recurso? Desde já muito obrigada e parabéns pelos esclarecimentos dados. Li todos.

    Responder
  103. Samia

    Meu caso, se a nova proposta de alteração da previdência for aprovada, é o seguinte:
    Eu entraria no período de transição. Como me faltam 4 anos, aproximadamente, eu trabalharia mais 2 anos. Suponha que são 6 anos.
    Hoje eu trabalharia mais 4 anos para receber o teto. Com a nova proposta, eu trabalharia mais 23 anos para receber a mesma coisa.
    Isso significa que me faltam, aproximadamente, 10% do tempo para receber 100%. Com a mudança, eu trabalharei mais 50% do tempo que me resta para ganhar 20% a menos ou trabalharei mais 80% do tempo se quiser ganhar 100% (tudo aproximadamente). Não é LOUCO???

    Essa alteração, do jeito que está, pela sua experiência, passa no congresso?

    Me resta esse tempo (4 anos, aproximadamente), porque perdi o emprego e abri uma empresa, no ano de 1999. Paguei o INSS por quase todo o ano, faltando 2 meses e depois, no ano seguinte, deixei de pagar por 3 meses e vendi a empresa para meu sócio. Depois de 4 meses abri uma outra, em 2000, que ficou inativa nesse ano, mas eu fiz alguns trabalhos durante esse período (mesmo sem empresa e mesmo com a mesma inativa). Durante 2001 e início de 2003 eu estava com a outra empresa aberta, mas não consegui ganhar muito, só que trabalhei durante todo o tempo.
    Para não me alongar muito, fui ao INSS esses dias e vi que me falta, para aposentar, exatamente esse período que fiquei sem contribuir (era contribuir ou comer!!!). Me disseram que eu posso pedir para pagar os atrasados, comprovando meu trabalho.
    Minhas dúvidas:
    1. No ano de 2000, em que minha empresa estava inativa, posso comprovar que trabalhei mostrando meus trabalhos (Programas de computador)?
    2. Dos anos seguintes, tenho os impostos de renda da empresa e meus, mas, pelo da empresa, nem todo mês entrou dinheiro (tem alguns com zero). Eu não consigo pagar INSS dos meses que estão com zero?
    3. Eu posso pagar o imposto pelo teto (mil e poucos reais), mesmo que não ganhei quase nada na época? Sempre contribuí com o teto, até hoje.
    4. Quando você fala em documentos comprobatórios, eu posso levar qualquer um deles ou tem que ser todos? Por exemplo, no meu caso, eu posso apenas levar os contratos das minhas empresas e os trabalhos efetuados ou somente o contratos delas e os meus impostos de renda. Você poderia escrever a lista de tudo que eu poderia enviar e dizer qual o mínimo que o INSS aceita?
    5. Pelos meus cálculos, se eu conseguir pagar pelos 4 anos, a conta fica cara (eu terei que fazer um empréstimo para pagar), mas poderia valer a pena, se a previdência realmente mudar! Além disso, quando terminasse de pagar o empréstimo, eu me aposentaria, efetivamente, que é o meu objetivo. Só que, como você escreveu no seu post, isso pode ou não valer como tempo para minha aposentadoria. Como posso ter certeza de que vai valer como tempo, antes de pagar a guia (se isso for possível)?

    Estou perguntando tudo isso, porque, no meu caso, pelo que estou entendendo dessa nova proposta, ou eu consigo aposentar agora, pagando pelos 4 anos que me faltam, ou não pago nada e espero para ver, pois não me adianta pagar 2 anos, por exemplo, porque não valerá o custo.

    Desculpe o tamanho do post, mas muitos amigos estão na mesma situação que eu.

    Responder
    • Ana Paula

      Samia, tenho uma situação parecida com a sua e gostaria de trocar ideias. No meu caso, faltam 5,5 anos e tenho tb algumas lacunas nas contribuições. Como poderíamos fazer contato? Obrigada. Me chamo Ana Paula.

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *